Uma carta para seu chefe machista
Escrevi uma carta com base nos relatos que recebo de muitas mulheres executivas e que deveria ser enviada para todo chefe que insiste em dizer “não sou machista”:
Caro chefe,
Eu fui para contratada para cuidar das necessidades que a empresa considera urgentes. Vocês tomaram a decisão de me contratar porque chegaram a conclusão de que precisavam de alguém com minha competência e experiência e eu fui a pessoa mais indicada para te ajudar.
Você me contratou para fazer um excelente trabalho, porém, mais importante que isso, você me contratou para pensar, usar meu discernimento e agir segundo o interesse da empresa em todos os momentos. Portanto, peço que me veja como profissional, independente do gênero, cor, raça ou sexualidade.
Um conjunto de comentários machistas torna “pesado” um ambiente que não é frequentado só por homens. Ouvir piadinhas pelos corredores tais como “capricha no decote pra ganhar o cliente”; “Aproveita que está de saia e peça o que quer”; “Além de inteligente é bonita”; e outros similares não soam nada agradável aos meus ouvidos.
Minhas conquistas profissionais também não dependem do status do meu relacionamento. O fato de estar solteira ou divorciada não podem me atribuir o status de “encalhada, mal amada, infeliz” e afins. Ter alcançado um cargo estratégico e especial também não significa que foi em decorrência de ter “dormido” com alguém da empresa.
Entendo que são comentários “inofensivos” e veja bem, o fato de escrever sobre eles não indica que perdi meu senso de humor, que sou politicamente correta, muito menos que sou “sensível demais”, estou na TPM, sou chata, mal comida, mal amada ou exagerada (ahh esses pensamentos também tem cunho machista), significa que chegou momento de encararmos que machismo ainda esta enraizado na empresa e precisamos crescer de uma vez por todas.
Ter atitudes e pensamentos machistas não significa que você seja uma pessoa horrível, mas saiba que está reproduzindo o que nossa sociedade tem como norma e está na hora de prestar atenção nisso para não repetir. É um longo processo de desconstrução. Vai ser chato. Mas tem que acontecer.
Não quero ser cortada do processo seletivo para uma promoção a um cargo de maior responsabilidade porque talvez num futuro próximo eu queira experimentar a maternidade. Também quero ajuste salarial adequado, afinal não e justo que as mulheres ganhem 30% a menos que os homens desempenhando a mesma função e atingindo as mesmas metas.
Meus filhos e minha família sempre virão em primeiro lugar, isso não quer dizer que não me preocupe com a empresa, quer dizer que em alguns momentos precisarei de flexibilidade de horário. Quero que entenda que ser flexível com as pessoas no trabalho não muda o resultado final, eu continuarei fazendo meu trabalho com excelência e assim terá chance de confirmar que fez uma boa escolha ao me contratar.
Sim chefe, eu menstruo todo mês e as vezes tenho cólicas terríveis! Me cuido e tomo medicação, e isso altera meu humor. Veja bem, você também altera seu humor inúmeras vezes, até com mais frequência que eu e isto é visto como “normal” ou “hoje não é um bom dia para falar com o chefe”. Entenda que trata-se apenas de um aspecto fisiológico da mulher, não um “problema” a ser resolvido.
O importante é que você, como um bom gestor de pessoas, atento as diferenças e respeitando nossas individualidades, consiga que rendamos o máximo, de modo a sermos produtivos e felizes no ambiente corporativo.
Além disso, há uma responsabilidade da maior importância no exercício da liderança que você precisa ter sempre em mente quando se tem homens e mulheres trabalhando em seu time: “em se tratando de competência e desempenho, não há diferença de gênero. Somos iguais”.
O mercado de trabalho é de quem comprova competência e ponto final!
Atenciosamente,
A profissional de sua equipe

picture1