Independente da quantidade de cursos técnicos que já tenha feito e da quantidade de diplomas e certificados que possui, a experiência profissional só acontece quando é vivida: Você é o único que pode experimenta-la! E como uma estrada que só pode ser caminhada por você.

A prática de mercado vigente é que todo profissional chega ate uma empresa segundo as habilidades técnicas. Como isso acontece? Alguém da área de recursos humanos fez um filtro de maneira muito “fria” segundo informações técnicas contidas no curriculum: onde se formou; quais idiomas domina e cursos realizados. Neste momento você é chamado para uma primeira entrevista e após processo seletivo começa sua jornada no primeiro trabalho.

Acontece que logo no inicio de nossas carreiras, mesmo que tenhamos feito muitos cursos técnicos, será necessário desenvolver na prática todo aquele conhecimento adquirido e isso significa arregaçar as mangas e trabalhar!

Como esse jovem ainda não tem experiência profissional, e muito provável que terá que fazer um monte de atividades que chamo de “tenho que”.

Existem tarefas no nosso cotidiano que gostamos de fazer e outras tarefas que “temos que “ fazer. São aquelas atividades tidas como chatas, operacionais e rotineiras, mas extremamente necessárias para a organização e controle dos processos da empresa.

A medida que o jovem profissional vai mostrando resultado, a parcela de atividades “tenho que” vai diminuindo e aumenta a parcela de atividades que ele gosta de fazer! Portanto, ao receber uma tarefa chata para fazer, faca logo com excelência, assim bons resultados aparecerão e num curto espaço de tempo estará livre daquele enrosco e se dedicando a atividades que gosta de fazer.

Acontece que bem inicio da carreira de qualquer profissional quase que 100% das tarefas a executar são operacionais e chamadas de “tenho que” e ai que mora o perigo. Muitos jovens profissionais tem a ilusão de que farão somente atividades que gostam no trabalho e tendem a desistir do trabalho precocemente por não se adaptarem.

Vejo atualmente um quadro de muita ansiedade, intolerância, nervosismo e angustia. A grande maioria esta confusa sobre caminho profissional que começa a ser traçado. Isso sem contar os que se preparam muito, mas executam pouco.

Fazer o que gosta não significa fazer algo legal todos os dias.
O mundo não premia seu potencial e sim seu real! Pare com essa ilusão de que ira trabalhar somente com coisas que gosta de fazer e saiba lidar com situações chatas e difíceis.

Hoje em minha carreira, a maioria de tarefas que executo são as que amo fazer, mas ainda que em menor escala as atividades de “tenho que” me acompanham e não é privilegio só meu, isso acontece com todos profissionais, inclusive com o presidente de sua empresa.

Sabe porque seu chefe te dará um monte de tarefas “tenho que” para fazer no trabalho? Para te dar oportunidade de mostrar seu super talento e para poder traduzir para o mundo esse grande potencial que diz ter.

Não e o que você diz, mas sim o que você faz que conta no mundo corporativo. Se entender como uma grande oportunidade, passara rapidamente por esse período de grande ralação necessário para adquirir experiência.

Vale ressaltar também que no inicio da carreira geralmente ganhamos um salario “mixuruca”. A medida que entregamos bons resultados, assumimos mais responsabilidades, seu salario também ira aumentar nessa mesma proporção.
Quanto maior a responsabilidade, maior o salario.

A trajetória profissional não pode ser herdada, tampouco pode ser comprada e ninguém pode tira-la de você. Esta esperando o que para começar a trilha-la? Comece logo!

Gostou do artigo? Útil para alguém? Então compartilhe!